Editoras, cuidado: o eBook is not on the eTable.

 

Michael Shatzkin levantou uma lebre interessante em um recente post de seu site: será que as editoras (de livros impressos) conseguirão manter a primazia na publicação de livros (eletrônicos)?

Muito já se escreveu sobre o impacto da autopublicação “roubando” o papel das editoras tradicionais — com as opiniões variando entre a exaltação entusiasmada à liberdade de publicar, de um lado, e o franco desprezo, do outro (“um ebook autopublicado não vale nem o papel no qual está impresso”, disse um editor, parodiando a patuscada de Samuel Goldwin). Shatzkin, no entanto, mostra que há um “concorrente” muito melhor preparado para ocupar o papel das editoras tradicionais: qualquer empresa que gere ou detenha conteúdo pode agora publicá-lo, digitalmente, sem a intermediação de uma editora.

As revistas, redes de televisão e sites estão se dando conta da realidade de que autopublicar ebooks é algo que elas podem fazer sem as complicações (ou sem ter que dividir a receita) de se trabalhar com uma editora. 

Assim, as editoras que quiserem manter-se indispensáveis em ambiente em que o produto predominante (ebook) requer pouco ou nenhum investimento em dinheiro e onde os canais de vendas serão poucos e de livre acesso (como a Amazon), terão que convencer empresas geradoras de conteúdo (vale o mesmo para autores), que a associação com suas marca ou selo trará benefícios que vão além do “prestígio”.

Veja aqui os comentários de Stella Dauer, e a longa e acalorada discussão no blog de Shatzkin.

Comente

comentários



Comments are closed.