Disputando a hegemonia dos e-books, empresas miram os autores

Publishnews, 11 de janeiro de 2012

O ano de 2012 começou com repetidos rumores (aquiaqui e aqui, e aqui, por exemplo) sobre a possível entrada da Apple no segmento de autopublicação. Segundo os pomólogos de plantão, ainda neste mês será revelado que a interface de leitura da Apple, o desenxabido iBooks, ganhará recursos de publicação, voltados tanto para as editoras quanto diretamente para escritores.
Como muitos dos rumores, esse parece surgido menos da realidade do que da vontade de acreditar. Essa, porém, é uma hipótese muito bem endossada pela observação e pela lógica — de mercado.
Se o século 20 foi marcado pelo Grande Jogo — a corrida entre as nações para controlar o suprimento de petróleo —, neste século a disputa parece ser pela hegemonia no comércio de bens culturais digitais. As potências agora chamam-se Apple e Amazon (com uma titubeante Google correndo por fora). A música é território conquistado pela Apple e seu iTunes, porém, no segmento dos livros digitais, a empresa de Cupertino frequenta um lugar que não lhe é muito familiar: a retaguarda. A Apple fica comquatro de cada cem e-books vendido no mundo, contra 56 de sua rival de Seattle.
No front do hardware, a Amazon deu a largada com o e-leitor Kindle (2007), mas seu predomínio foi deletado pela tabuleta da Apple, o iPad (2010). A Amazon reagiu com o Fire, um tablet para as massas. Calcula-se que a próxima jogada da Apple envolveria uma tablet que abafasse o Fire, em termos de preço e recursos.
Também em termos de software a Apple ficou para trás. Seu iBook de estantes de “madeira” não tem aaffordance da interface da Kobo ou a ubiquidade dos kindlebooks. É a evidente defasagem que autoriza os especuladores a acreditar que a Apple vem, enfim, com novidades dignas de Santo Estêvão Jobs.
Já a “interface para escritores” seria a cristalização de uma tendência facilmente observável. Os principais vendedores de livros já montaram seus canais para selfpublishing. A Barnes and Noble tem oPubit e a Amazon acenou com seis milhões de dólares anuais para manter “autoautores” no seu cercadinho, o que pode ser encarado como um ataque preventivo. O fato é que hoje basta um ISBN e alguns cliques no site da Kindle Direct Publishing para que sua tese de mestrado ou sua coleção de sonetos integre o maior catálogo de livros do mundo. Já quem tentar o mesmo na Apple vai encarar uma burocracia intimidadora ou tomará o atalho dos “agregadores”, empresas que levam os editores e escritores à terra prometida da Apple em troca de uma comissão ou taxa.
Um desses agregadores — e líder da “publicação indie” — desqualifica os boatos e afirma que a Apple não vai se meter com autopublicação. Segundo Mark Coker, da Smashwords, a Apple é extremamente ciosa da qualidade do que vende, e teme que, quando a porta estiver aberta, coisas indesejadas possam entrar. (Como esse calhamaço escrito em MAIÚSCULAS, talvez o mais grotesco livro no catálogo da Amazon).
Boato ou não, o fato é que os über vendedores de livros parecem cada vez menos encantados com as editoras e cada vez mais enamorados dos autores. Sejam escritores mais que consagrados, sejam poetastros de gaveta, os autores nunca foram tão cortejados nem tiveram à disposição tantos meios para colocarem seu livro à venda instantaneamente, em escala mundial.
É evidente que esse câmbio de poder — que as megavarejistas digitais de certa forma retiram das editoras e concedem aos escritores — não acontecerá sem traumas. Todos os jogadores (escritores, editores, distribuidores, livrarias) terão que redefinir, a base da conversa ou dos pontapés, seus papéis, seus poderes e direitos.
Por conta do Grande Jogo do petróleo do século 20, o mundo continua em conflito. Como disse Kipling, “quando todos estiverem mortos, o Jogo terá chegado ao fim. Não antes disso”. Vamos esperar que o Grande Jogo digital do século 21 traga mais vencedores — e menos baixas.

Comente

comentários



Comments are closed.